Temporã

A pesquisa genealógica ajudou-me a desconstruir três ideias equivocadas que eu tinha a respeito da relação entre idade, costumes e saúde reprodutiva: (1) que as pessoas viviam menos até o século XX, (2) que as pessoas casavam-se muito cedo nos séculos passados e (3) que as mulheres não tinham filhos depois dos 40 anos. Em minha árvore familiar tenho evidências objetivas de antepassados que morreram com mais de 70 anos, de incontáveis casais que se casaram com idades não muito diferentes do costume contemporâneo e de mulheres que tiveram filhos com idades que ainda hoje seriam consideradas arriscadas. Aqui apresento o caso da gravidez tardia de minha bisavó materna.

Leia mais

Sérvulo

Existem diversas razões por que às vezes não se encontra um assento ou uma certidão quando se faz uma busca em sítios como o FamilySearch. Uma dessas razões é a falha de indexação, de que já tratei em outro texto, que ocorre quando um voluntário pouco experiente grafa um nome incorretamente no sistema, e essa grafia incorreta fica associada a um documento. Esse tipo de falha só é evidenciado depois de muitas tentativas de localizar um documento por meio da ferramenta de busca.

Leia mais

Desimpedidos

O casamento religioso católico era precedido de comunicações dos párocos a respeito da intenção dos noivos de receber o sacramento do matrimônio. O objetivo era evitar que as pessoas se casassem mais de uma vez em diferentes freguesias. Qualquer pessoa que soubesse de razão para que o enlace não fosse realizado deveria vir a público e se pronunciar.

Leia mais

Cerca

Quem pesquisa a genealogia da própria família costuma encontrar alguns “esqueletos no armário“, como se diz em inglês. Esses esqueletos podem aparecer sob a forma de filhos bastardos, para mencionar apenas os casos mais triviais, mas podem envolver situações mais complicadas. É por causa desses esqueletos que muitos familiares se negam a fornecer informações valiosas que permitam o avanço da pesquisa.

Leia mais

Pixeladas

Álbuns fotográficos e mesmo fotografias avulsas são tesouros para o genealogista, mas nem sempre se tem a sorte de encontrá-los. Quando temos essa sorte, acabamos descobrindo que nossos antepassados não estavam preparados para deixar um registro documental que pudesse ser útil para as gerações futuras. É por isso que encontramos fotografias sem datas e sem identificação dos fotografados ou do local do registro. E há ainda limitações da tecnologia da época, que nos legou fotografias pouco nítidas ou que desbotaram com o tempo.

Leia mais