A plataforma Genera é hoje minha recomendação para brasileiros que pretendem avançar em suas pesquisas genealógicas ou encontrar parentes, pois embora ela ainda não seja acessível a grande parte da população, ela é certamente uma plataforma onde se encontram majoritariamente dados genéticos de brasileiros. Ainda assim, deve-se reconhecer que a plataforma não é dedicada à Genealogia estritamente falando, pois as ferramentas mais úteis que ela poderia oferecer deveriam estar ferramenta Busca Parentes e é justamente nela que se tem mais dificuldade de fazer uma busca eficiente por meio, por exemplo, da busca de matches em comum, recurso encontrado na plataforma MyHeritage, por exemplo.

O recurso oferecido na Busca Parentes do Genera informa o nome da pessoa testada com quem se tem um parentesco genético (o match), seu e-mail de contato e, em muitos casos, o haplogrupo materno (mt-DNA, para pessoas testadas do sexo masculino e feminino) e/ou paterno (Y-DNA, para pessoas testadas do sexo masculino). Quando essa pessoa testada cadastrou uma fotografia ao criar seu perfil na plataforma, uma pequena imagem é exibida. Em cada um desses elementos, há vantagens a explorar e desvantagens a reconhecer.

Vamos começar pela fotografia, que é o primeiro elemento exibido na Busca Parentes. Ela normalmente é muito pequena para se fazer um bom reconhecimento facial da pessoa testada, o que será necessário nas etapas seguintes, em que se buscarão informações sobre o match em redes sociais, por exemplo. Mas isso não é um problema sem solução. Basta mover o ponteiro do mouse sobre a imagem, clicar com o botão direito e selecionar a opção ‘Copiar imagem’ do menu exibido. Depois basta abrir um aplicativo de edição de imagem (Paint) ou outro aplicativo que aceite imagens copiadas – eu costumo usar o PowerPoint – e colar a imagem copiada, que assim poderá ser ampliada para melhor percepção dos detalhes faciais do match.

O nome do match poderá ser selecionado com o mouse e copiado para a área de transferência para ser colado no Google ou em uma rede social (Facebook, Instagram, LinkedIn). No Google podem-se buscar dados de empresas que estejam relacionadas ao nome do match ou menções em processos judiciais, que são as informações que encontro com mais facilidade. Nas redes sociais, pode-se colar nome copiado na íntegra ou em variações cortando um segundo nome ou um dos sobrenomes em casos que se imagine que a pessoa possa ter preferido criar um perfil com nome mais simples. A vantagem de se ter ampliado a fotografia na etapa anterior é que agora se pode confrontá-la com a fotografia do perfil na rede social.

O e-mail do match se presta ao mesmo tipo de busca inicial feita na etapa anterior, isto é, copiando para a área de transferência e colando no Google para a busca de páginas em que esse e-mail tenha sido citado. Quando se tem sucesso nessa estratégia, é comum encontrar dados de microempresas que o match tenha criado. Pelos dados adicionais da empresa – telefone, endereço – se descobre se o match é da mesma região ou cidade, o que pode sugerir um ramo ascendente comum já pesquisado. O e-mail também pode ser encontrado em páginas de currículos acadêmicos como o Currículo Lattes. Buscando um eventual trabalho de pós-graduação produzido por esse match, pode-se descobrir algum dado pessoal como os nomes dos pais na seção de agradecimentos desse trabalho acadêmico.

Você deve estar pensando: por que ter todo esse trabalho em lugar de simplesmente enviar um e-mail para o match e pedir mais informações? E eu respondo: quem já tentou essa estratégia descobriu que a quantidade de e-mails respondidos é geralmente muito pequena, pelo que costuma-se ter mais sucesso quando se usam as tais estratégias de antemão. Há dois dias fiz nova tentativa com um match a quem eu já havia enviado um e-mail há mais de um mês sem sucesso na resposta. Pois nessa nova tentativa eu já havia encontrado uma possibilidade de explicação de nosso parentesco, que nem é próximo. O match não apenas respondeu – certamente ao perceber que eu tinha informações realmente corretas e úteis – como também se ofereceu a dar mais informações para ampliar minha pesquisa. E há mais um aspecto a considerar: como o Genera exige um e-mail para cada kit, muitos clientes criam um novo e-mail apenas por conta dessa exigência e acabam não fazendo acesso regular a ela, pelo que podem acabar ignorando mensagens enviadas recebidas nelas.


José Araújo é genealogista.


José Araújo

Genealogista