Forros

Em texto anterior falei sobre a importância dos processos matrimoniais, que podem trazer informações valiosas sobre os ramos familiares mais antigos, dos quais provavelmente não reste memória entre parentes vivos e talvez nem mesmo restem livros que possam ser pesquisados nas paróquias ou no FamilySearch. Encontrar um desses processos pode também depender de sorte e só posso usar essa palavra para relatar a alegria que tive por encontrar o que apresento a seguir: o processo pelo qual se casaram meus hexavós maternos Manoel Veloso de Carvalho e Fermiana Maria Xavier. Falei deles no texto anterior, portanto este texto é a continuação que prometi lá.

(mais…)

Escórcios

A tradição (Silva Leme, Genealogia Paulistana) informa que Manoel da Luz Escórcio Drummond era natural da Ilha da Madeira e que de lá veio com “sua mulher, três filhas e um filho” para o Brasil, estabelecendo-se inicialmente em São Vicente, onde enviuvou, casou-se novamente e de lá saiu para o Rio de Janeiro com a filha Maria Escórcia e o genro João de Sousa Pereira, que passou à posteridade com a alcunha de o Botafogo. Silva Leme não menciona outros filhos de Manoel da Luz além de Maria e tampouco informa o nome de suas mulheres. Carlos Rheingantz, autor de uma obra fundamental sobre a genealogia fluminense, documentou apenas parte da descendência de Maria Escórcia e João Pereira de Sousa, sem mais detalhar o ramo familiar de Manoel da Luz. E assim esse personagem fundou um dos troncos mal documentados das genealogias paulista e fluminense.

(mais…)

Desafios

Embora o FamilySearch seja uma das ferramentas mais relevantes para o genealogista contemporâneo, não se pode ignorar que o uso dele apresenta alguns desafios. Alguns desses desafios dizem respeito a questões intrínsecas, ou seja, relativas ao funcionamento ou à administração/uso da ferramenta; outros, a questões extrínsecas, ou seja, relativas aos curadores dos acervos documentais. Entre as questões intrínsecas estão erros (a) de classificação de livros – p.ex. óbito onde deveria ser matrimônio – e até (b) de localização geográfica, como ocorre com o livro de batismos de 1816-1835 da freguesia de Santo Antônio de Jacutinga, que foi atribuído ao Rio de Janeiro e não a Nova Iguaçu, que seria o correto. Ainda entre as questões intrínsecas estão as que se devem a (c) erros de transcrição cometidos por voluntários durante a indexação de livros paroquiais e civis, que dificultam buscas na ferramenta de Pesquisa de Registros. Finalmente, existem atualmente (d) erros cometidos pela transcrição realizada pela ferramenta de indexação por Inteligência Artificial. Nos casos (c) e (d), caberia aos usuários mais experientes corrigir de forma voluntária os conteúdos indexados incorretamente quando se deparassem com eles.

(mais…)