Migalhas

Nos vários grupos de que participo no Facebook, costumo encontrar relatos queixosos de confrades que parecem ter estacionado nas pesquisas sobre um ou outro ramo de suas árvores – para não falar dos que acreditam haver estacionado em ambos os ramos. A situação parece desesperadora, mas tendo a acreditar que pode haver saídas, ainda que tudo o que se consiga encontrar sejam praticamente migalhas sobre as vidas de nossos antepassados.

Leia mais

Alfaiate

“Quase não há diferença entre uma e outra fábrica. Desde o Jardim Botânico até Paracambi, e desde Bangu até Petrópolis, em toda parte sente-se a mesma escravidão, idênticos são os sofrimentos do trabalho rude e da vida miserável”. – Pelas Fábricas de Tecidos, In: 1911, A Guerra Social, periódico anarquista, citado por Carlos Augusto Addor.

Leia mais

Polícia

Meu avô Antônio Maria Pinto de Araújo teve dois casamentos. Sou neto de Josefa, com quem ele se casou aos 50 anos, em 1918, depois um breve período de viuvez decorrente da perda de sua primeira esposa Luiza de Macedo, com quem ele chegou no Porto de Santos, São Paulo, em 14 de abril de 1905, trazendo os sete filhos que tiveram em Portugal. Quando meu avô chegou, aqui já se encontravam seus cunhados Vasco e Maximiano de Macedo, irmãos de Luiza.

Leia mais