Flamengo

Quando Bishop voltou de Ouro Preto, encontrou Lota em greve. Tinha resolvido permanecer uma semana em Samambaia, em protesto contra o descrédito de sua Obra, à qual Carlos havia se referido depreciativamente num contexto de “pompas e glórias”. O protesto era extensivo ao desinteresse do governador pela Fundação. _ Oliveira, Carmen L. Flores Raras e Banalíssimas: A história de Lota de Macedo Soares e Elizabeth Bishop. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

Bishop é a poetisa e contista americana Elizabeth Bishop (1911-1979), que viveu uma relação de mais de uma década com a arquiteta-paisagista e urbanista autodidata Lota de Macedo Soares (1910-1967), brasileira nascida em Paris que nutria o sonho de ver a área do aterro do bairro do Flamengo, na orla da cidade do Rio de Janeiro, transformada em um parque à semelhança do Central Park nova-iorquino. Samambaia é o nome da localidade em Petrópolis onde a família de Lota tinha uma propriedade, e Carlos era Carlos Frederico Werneck de Lacerda (1914-1977), jornalista e político brasileiro que foi governador do estado da Guanabara entre 1960 e 1965.

Carlos apadrinhou o sonho de Lota – a Obra – e teve por isso muitas dores de cabeça por conta dos entraves à obra, causados em parte pela rejeição dos funcionários da empresa de obras públicas a serem comandados por Lota, uma mulher sem formação acadêmica, mas autoritária e incansável na determinação de entregar aos cariocas uma área de lazer em um lugar que estava destinado a ser apenas uma artéria viária da cidade.

O atual Parque do Flamengo, concretização do sonho de Lota, oferece ao visitante, morador ou turista, não apenas um lugar de lazer, mas também uma vista privilegiada da cidade e de seus mais conhecidos pontos turísticos e monumentos – Pão de Açúcar, Baía de Guanabara, Cristo Redentor, MAM -, sendo por isso meu lugar favorito na cidade.

Para quem não o conhece, eis algumas fotos de meu acervo pessoal:

E qual não foi minha surpresa ao descobrir que a história de minha família de certa forma se cruza com a história da obra de Lota – ou mais exatamente com a do padrinho dessa Obra. O facto é que Carlos Frederico Werneck de Lacerda é trineto de Francisco das Chagas Werneck (1778-1846), filho de Inácio de Souza Werneck (1742-1822), patriarca dos Werneck no Rio de Janeiro. Duas irmãs de Francisco casaram-se com membros da família Pinheiro de Souza – descendentes de João Pinheiro de Souza (1719-1782) e Paula Pereira Monteiro (1725-?) -, da qual descendo por meio de minha tetravó materna Maria Tereza da Paz (1791-1855) – João e Paula são seus avós.

Embora Carlos Lacerda não seja meu parente direto, fico feliz por saber que apoiou o sonho da incrível Lota e legou um espaço tão belo ao povo carioca. Para saber mais sobre a vida e as obras dessa mulher fantástica, recomendo a visita ao site do Instituto Lotta.


José Araújo é genealogista.