Temporã

A pesquisa genealógica ajudou-me a desconstruir três ideias equivocadas que eu tinha a respeito da relação entre idade, costumes e saúde reprodutiva: (1) que as pessoas viviam menos até o século XX, (2) que as pessoas casavam-se muito cedo nos séculos passados e (3) que as mulheres não tinham filhos depois dos 40 anos. Em minha árvore familiar tenho evidências objetivas de antepassados que morreram com mais de 70 anos, de incontáveis casais que se casaram com idades não muito diferentes do costume contemporâneo e de mulheres que tiveram filhos com idades que ainda hoje seriam consideradas arriscadas. Aqui apresento o caso da gravidez tardia de minha bisavó materna.

Meus bisavós maternos João Pereira Belém e Theodora Maria da Conceição nasceram em Bananal de Itaguaí, hoje Seropédica (RJ), na segunda metade do século XIX e viveram em Austin, distrito de Nova Iguaçu, localidade para a qual tenho registros familiares esparsos e algumas histórias interessantes. Eles casaram-se tardiamente, já tendo criado oito filhos, como ficou registrado em sua certidão de casamento, de 17 de novembro de 1900, na qual eles:

declararam […] que antes do matrimônio tiveram os seguintes filhos: Pedro Pereira Belém, com 21 anos de idade [1879], João Pereira Belém, com 19 anos de idade [1881], Sérvulo Pereira Belém, com 16 anos de idade [1884], Antônio Pereira Belém com 14 anos de idade [1886], Enéas Pereira Belém, com 12 anos de idade [1888?], Adriano Pereira Belém, com 9 anos de idade [1892], Manoel Pereira Belém, com 5 anos de idade [1895], Maria Pereira da Conceição, com 7 anos de idade [1894] […]

Esse trecho da certidão é precioso, pois foi graças às idades dos filhos informadas que pude localizar os assentos de batismo de meus tios-avós, cujos anos anotei entre colchetes, exceto o de meu avô Enéas, cujo assento poderia estar em um livro perdido ou ainda não digitalizado pelo FamilySearch. Meus avós já tinham alguma idade quando se casaram – ele, 52 anos e ela, 48 anos -, mas o facto é que ainda teriam uma filha temporã, em 23/08/1903, a quem deram o nome de Esmeralda.

declarou que no lugar denominado Austin, hoje, às sete horas da tarde, nasceu uma criança do sexo feminino, de cor parda, filha legítima de João Pereira Belém e Theodora Maria da Conceição […] a criança há de chamar se Esmeralda […]

Esse nascimento tão tardio pareceu estranho, pois eu acreditava que seria difícil uma gravidez em idade avançada no início do século passado, mas as evidências – nomes dos pais, localidade do nascimento e cor da criança – eram coerentes com o que se sabia de meus bisavós. Ainda assim, persistia certa descrença e a desconfiança de que poderia ser um caso de pessoas homônimas vivendo na mesma localidade.

Essa incerteza só se dissipou com a descoberta da certidão do casamento de Esmeralda, em 5/01/1927, pois, ela trazia um detalhe, a data do óbito do pai da nubente que, mesmo equivocada, sugeria que as pessoas citadas eram mesmo meus familiares maternos:

[…] vinte e três anos de idade, nascida em vinte e três de agosto de mil novecentos e três, solteira, doméstica, filha legítima de João Pereira Belém, falecido em vinte e três de outubro de mil novecentos e vinte e um, e de Dona Theodora Maria da Conceição […]

As notas que se veem abaixo, publicadas em um jornal local – cujos proprietários eram grandes amigos de minha família materna – e com maior proximidade dos acontecimentos, informam do falecimento de meu bisavô João e registram o nome de meu avô Enéas, já citado. Pelos registros, evidencia-se que o óbito teria de facto ocorrido em 26/09/1921 – não em 23/10/1921 – indicando que houve um erro do cartório na certidão de casamento de Esmeralda:

Correio da Lavoura – 29/09/1921
Correio da Lavoura – 13/10/1921

Não fossem as notas publicadas no Correio da Lavoura, eu poderia ainda ter dúvidas se a Esmeralda batizada em 1903 e casada em 1927 era mesmo minha tia-avó. Essas dúvidas já se dissiparam e hoje acredito que ela fosse mais conhecida pelo apelido carinhoso de Loló, pois assim uma prima de minhã mãe que entrevistei se referia à filha mais nova com quem Theodora vivia em Austin – informação que, para minha sorte, está registrada na citada certidão matrimonial cujo trecho relevante exibo abaixo com o devido destaque e transcrevo.

Casamento de José Antonio da Silva e Esmeralda Belém – 5/01/1927 – Nova Iguaçu, RJ

[…] vinte e três anos de idade, nascida em vinte e três de agosto de mil novecentos e três, solteira, doméstica, filha legítima de João Pereira Belém, falecido em vinte e três de outubro de mil novecentos e vinte e um, e de Dona Theodora Maria da Conceição, brasileira, residente com a nubente em Austin, neste distrito […]

Este texto demonstra os meandros que pode ser necessário percorrer para desfazer potenciais erros em registros oficiais. Aqui, esses meandros envolveram a consulta a outros registros oficiais, a periódicos e mesmo uma entrevista com membro do mesmo ramo familiar. Infelizmente, nem sempre se pode ter acesso a tantas e variadas fontes para desfazer um erro similar.


José Araújo é linguista e genealogista.