Plantel

Em texto anterior, abordei a descoberta do assento de óbito de Alexandre Pereira Belém, “preto liberto” fluminense falecido em 1887, que suspeito estar relacionado a minha família materna. Além do sobrenome em comum, ele foi padrinho de meu tio-avô Pedro Pereira Belém, que fora neto de Joaquina da Conceição e Pedro Gomes de Moraes, que nunca se casaram. No mesmo texto, mencionei a relação extramatrimonial entre a mãe de Pedro Gomes de Moraes e o agricultor escravocrata Pedro Cipriano Pereira Belém (1795-1860), filho de Francisco Antônio Pereira Belém (1746-1834) e Joana Maria de Jesus (1760-1834).

No tal texto, supus que a relação entre Pedro Gomes e Joaquina da Conceição tivesse a ver com a proximidade entre os Gomes de Moraes e os Pereira Belém, e levantei a possibilidade de Joaquina, assim como foi Alexandre, ter sido uma mulher escravizada. À medida que revejo alguns documentos, percebo que novas pistas parecem ratificar essas interpretações. Uma dessas pistas surge no inventário, de 1834, de Joana Maria de Jesus, em que foi inventariante seu filho Pedro Cipriano Pereira Belém. Nesse documento são arrolados os bens da viúva Joana, entre os quais os escravos de sua posse. E logo no primeiro nome relacionado observamos algo interessante, como se pode ver na imagem e transcrição seguintes:

Inventário de Joana Maria de Jesus – Arquivo do TJRJ

Alexandre, crioulo, idade dezoito anos, por quatrocentos mil réis

Não obstante o óbito de Alexandre informar que ele teria “78 anos presumíveis” em 1887 – o que lhe daria um nascimento entre 1808 e 1809 -, a vida de escravizado explicaria uma aparência mais desgastada, portanto um nascimento em 1816 – consistente com a idade informada no inventário acima – não seria inaceitável. No texto anterior, supus que Joaquina poderia ser sua filha, mas começo a acreditar que poderia ser sua irmã ou mesmo não ter nenhuma relação de parentesco com ele. Poderia, de facto, haver uma relação de afinidade entre eles, por terem ambos sido escravizados no plantel dos Pereira Belém, de quem ao menos ele pode ter recebido o sobrenome.

A interpretação apresentada aqui pode ser apenas decorrente de coincidências de nomes e datas observados em documentos dispersos, mas parece fazer sentido. Tendo em conta a complexidade que costuma cercar a genealogia de afrodescendentes, talvez eu nunca esclareça a questão da identidade de Joaquina da Conceição ou a natureza de seu relacionamento com o padrinho de seu neto Pedro Pereira Belém ou ainda o porquê do sobrenome deste ter chegado a minha família materna.


José Araújo é genealogista.